Conheça a história de como foram criados os primeiros transportes coletivos do mundo!

NOTÍCIAS

14/10/2021
Conheça a história de como foram criados os primeiros transportes coletivos do mundo!

Com certeza você deve imaginar que, quando os transportes coletivos foram criados, eles não eram muito semelhantes aos que utilizamos hoje em dia, não é? 

A funcionalidade e o esquema correto de translado demorou muito para ser assertivo e atender às necessidades de toda a população, mas mesmo assim, o mérito dessa invenção é exclusivo de um dos grandes pensadores e matemáticos da humanidade, o francês Blaise Pascal.

 

 

Nascido em Paris, no ano de 1623, Pascal criaria, anos mais tarde, um dos principais meios de locomoção mundial. No século 17, mais precisamente em 1662, a Capital francesa era considerada uma cidade altamente povoada, com cerca de meio milhão de habitantes - o que para a época, era um número muito elevado.

Aqueles que não possuíam automóveis próprios, precisavam se locomover a pé até seus compromissos. Pensando nesses cidadãos, Pascal começou a desenvolver um rico sistema de transporte urbano, que contaria com o auxílio de carruagens que fariam esse transporte de pessoas pelas ruas da cidade.

O matemático pensou inclusive na adesão de itinerários fixos, tarifas e grade de horários que seriam utilizadas para regulamentar o uso desse sistema. Diante disso, Pascal precisava somente da autorização do Rei Luís XIV para pôr em prática a sua ideia. 

 

 

Para Pascal, o valor da passagem deveria custar cinco “sols”, a moeda que circulava na França naquela época. No começo, três linhas circulavam nas ruas francesas, entre elas as rotas entre a comuna Saint-Antoine e a cidade de Luxemburgo, que era anexada ao território francês. 

A segunda linha ia da Rua de Saint-Antoine até a Rue Saint Honoré e a terceira rota conectava o bairro de Montmartre à Luxemburgo. Segundo registros históricos, as carruagens - sete no total -, começaram a ser operadas às 7h, e foram um sucesso entre os parisienses. 

Entretanto, como já citado acima, alguns percalços surgiram no caminho. Obviamente, a demanda de pessoas que gostariam de utilizar os transportes era muito maior do que a cidade podia atender. O sistema perdurou, mas devido às suas instabilidades e problemas administrativos, encerrou-se alguns anos mais tarde.

Somente algum tempo depois, já no século seguinte, os transportes coletivos voltariam a surgir na Europa, mas dessa vez melhores equipados e pensados para a população. E olha, isso só seria possível a partir da utilização desse meio aqui mesmo, no Brasil! 

O nosso país foi o segundo em todo o mundo a criar outro projeto de transporte coletivo. Voltando para a época do império brasileiro, em 1808 a família real chegou no Brasil. Como eram nobres, tinham costumes diferentes dos nossos, entre eles a cerimônia de “beija-mão”. 

Nela, os súditos deveriam ir até a Corte para agraciar a chegada do rei. Mas para isso, os “plebeus” deveriam percorrer caminhos enormes até o palácio. Pensando nisso, em 1817 o rei D. João VI assinou um decreto que autorizava a utilização das carruagens reais no trajeto que ligava o Paço Imperial até a Fazenda Santa Cruz. 

A partir daí, o modelo de transporte, puxado por cavalos, começou a ser difundido no país. Com o valor de oito réis, as pessoas podiam requisitar os serviços. Com a popularização do meio, outra linha foi criada, que ligava o Paço Imperial à Quinta da Boa Vista. 

Note que todas as locações ligavam estruturas reais, para atender às demandas da família portuguesa, antes dos cidadãos. Apesar disso, a ideia ficou. Anos mais tarde, em Curitiba, surgiria o primeiro modelo de “ônibus sobre rodas”, que se espalhou para o resto do mundo. 

A ideia é que ele fosse mais eficiente que os metrôs, instaurados por volta de 1970 nas cidades brasileiras. Antes dessa época, em 1862, o Rio de Janeiro havia criado uma locomotiva a vapor, com o funcionamento de três vagões que levavam passageiros. 

A prática foi adotada por outras cidades, até a chegada do bonde elétrico na Capital Fluminense em 1892.Ele foi implantado em mais de 40 cidades brasileiras, o que colocou o Brasil como uma das principais redes de transporte do mundo no momento. 

Anos mais tarde, os transportes começaram a ser utilizados como hoje conhecemos, entretanto, a história de como chegamos até aqui ainda é uma grande viagem pelo mundo!



Já conhece o cartão Grande Floripa + Integrada?

Agora que você já sabe de onde vêm os transportes que utiliza diariamente, venha conhecer os serviços da BTC!

Todas as linhas operadas pela empresa Biguaçu Transportes Coletivos passaram a utilizar, desde maio de 2021, o novo cartão “Grande Floripa + Integrada”, que permitirá o uso do mesmo cartão para diferentes empresas da região da Grande Florianópolis.

 

 

Os antigos usuários dos cartões Cidadão e Estudante, além dos usuários de Cartões com gratuidades (Idosos, Portadores de Necessidades Especiais ou Professores) devem procurar a sede (anexa ao Ticen), levando o seu cartão atual e documento de identidade, para atualizar seu cadastro.

Todos os créditos serão transferidos para o novo cartão.

Ficou com dúvidas? Leia nosso artigo: Perguntas frequentes sobre o cartão Grande Floripa + Integrada! e conheça nossos 70 novos horários de ônibus para atender da melhor forma possível as suas demandas. 



Biguaçu Transportes Coletivos prioriza você

A Biguaçu Transportes Coletivos prioriza você para o melhor atendimento. Em caso de dúvidas, comentários ou sugestões, acesse a nossa ouvidoria.

Em caso de dúvidas quanto a linhas e horários de ônibus, faça contato por meio do WhatsApp pelo número (48) 3954-7200 ou telefone.